segunda-feira, 31 de março de 2014

(Vídeo/Áudio) - Nome de brasileiros (esquerdistas) patrocinado pela KGB para promover desinformação

(Vídeo/Áudio) - Nome de brasileiros (esquerdistas) patrocinado pela KGB para promover desinformação

(Vídeo/Áudio) - O filósofo Olavo de Carvalho falou na Rádio Vox sobre o nome de brasileiros que aparecem no arquivos da polícia secreta tchecoslovaca, a StB. 14 de março de 2014 - www.radiovox.org

Clique no link abaixo para acessar o conteúdo:
http://historiareformacional.blogspot.com.br/2014/03/video-o-filosofo-olavo-de-carvalho.html

sexta-feira, 21 de março de 2014

O Jornal São Paulo Presbiteriano condena como pecaminoso e imoral a atitude do Sr. Marcos Botelho pelo sofisma e defesa do "direito" de praticar abominações.

Luta cristã pelo “direito” de praticar abominações?

A fé esquerdista das grandes revistas evangélicas e a agenda gay

Julio Severo
Em artigo na revista Ultimato, Marcos Botelho declara:
“Hoje, vendo a luta do movimento LGBTT, lendo a PL 122 e pensando no nosso compromisso cristão por uma sociedade para todos com as leis laicas, penso que o direito ao casamento (união estável), a herança e outros direitos civis dos homossexuais deveriam ser garantidos por lei e defendidos por nós protestantes, pois se sofremos um preconceito no passado por leis baseadas na fé dos ‘outros’ que iam contra os nossos direitos, por que agora que temos voz garantida não vamos lutar pelos outros?… Nós evangélicos deveríamos ser a voz em defesa (dos direitos legais) dos homossexuais…”(http://archive.is/yyDLV)
Seu discurso, pintando o movimento homossexual como vítima de um sistema opressor, deixa claro no final que a “culpa” dos ativistas gays quererem impor o PLC 122 sobre toda a população do Brasil é “porque nós cristãos não estamos fazendo a nossa parte e lutando para o direito de todos: o de escolher livremente a sua opção sexual.”
Pr. Marcos Botelho
Do lado do articulista, na melhor das hipóteses o problema maior talvez seja pura falta de conhecimento bíblico, mas essa explicação soaria estranha, pois ele é pastor presbiteriano e missionário da Missão Jovens da Verdade. Marcos parece desconhecer completamente que a Bíblia é bem clara acerca da gravidade do pecado homossexual:
“Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem os que se entregam a práticas homossexuais de qualquer espécie, nem ladrões, nem avarentos, nem viciados em álcool ou outras drogas, nem caluniadores, nem estelionatários herdarão o Reino de Deus.” (1 Coríntios 6:9-10 KJA)
Não podemos, pois, em hipótese alguma, lutar por um suposto “direito” de as pessoas escolherem livremente qualquer um desses pecados que impedem seus escravos de entrar no Reino de Deus.
O direito que esses escravos do pecado têm — e é nosso dever cumprir — é o de ouvir o Evangelho que traz libertação, cura e salvação.
Contudo, a falta de base bíblica de Marcos Botelho e outros cristãos progressistas os leva a querer que toda a população cristã lute pelos supostos “direitos” dos que estão escravizados ao pecado homossexual, inclusive um suposto “direito” ao casamento. Diz a tradição judaica que o último pecado antes do Dilúvio foi o “casamento” homossexual. Em seu livro “Ancient Post-Flood History” (História Antiga da Época depois do Dilúvio), o teólogo Ken Johnson cita uma proeminente fonte rabínica que disse:
“A geração do Dilúvio só foi exterminada depois de escreverem documentos de casamento para a união de um homem com outro homem ou com um animal.”
O discurso de Botelho, não só apoiando o “casamento” gay, mas também pregando que nós cristãos temos o dever de lutar para que tal “casamento” seja imposto sobre a sociedade como um “direito” dos que praticam o pecado homossexual, é sinal claro de que a apostasia está avançando a passos largos no meio protestante.
Por falta de conhecimento bíblico e legal, Botelho poderá dizer que por “casamento” ele entende “união estável” — que no final das contas resulta no mesmo problema, já que a Constituição brasileira diz que é dever do Estado transformar as uniões estáveis em casamento. Dê aos ativistas gays a “união estável,” e o Estado estará sob a obrigação constitucional de converter essa abominação em “casamento.”
Se o problema real não for analfabetismo bíblico, então a única explicação para o articulista da Ultimato andar fora do que a Bíblia prescreve é a contaminação ideológica — problema abundante na revista dele. A Ultimato é provavelmente a mais antiga publicação defensora da Teologia da Missão Integral, que é a versão protestante da Teologia da Libertação. Um dos livros publicados pela Ultimato em defesa dessa teologia marxista evangélica é “O Novo Rosto da Missão,” escrito pelo Rev. Luiz Longuini, um pastor da IPB casado quatro vezes.
A revista Ultimato também teve papel vital na fundação da Aliança Evangélica, que meses atrás celebrou uma parceria com o governo do PT através de Ariovaldo Ramos.
Quanto ao discurso de Botelho dizendo que “nós cristãos não estamos fazendo a nossa parte e lutando para o direito de todos: o de escolher livremente a sua opção sexual,” não foi no Evangelho de Jesus Cristo que ele aprendeu a lutar por abominações. Esse é o “evangelho” da Ultimato e de muitos outros grupos progressistas. Esse é outro “evangelho,” a serviço da ideologia marxista.

Celebrando a “vitória” presbiteriana do divórcio?

Como referência e exemplo do dever cristão de lutar por tais “direitos,” Botelho diz: “O projeto do direito ao divórcio entrou câmara dos deputados por um deputado presbiteriano.” A legalização do divórcio é uma “honra” que dispenso com a consciência tranquila, mas com certeza o Rev. Luiz Longuini deve estar pulando de alegria com a “vitória” que seu camarada presbiteriano conquistou para os que não se contentam apenas com uma única união conjugal. O que seria de sua vida conjugal sem essa lei? Os quatro “casamentos” do Rev. Longuini são exemplo do “progresso” do “evangelho” progressista, não do Evangelho verdadeiro que liberta, cura e salva.
Com o Evangelho verdadeiro, Longuini jamais teria chegado a ser um pastor presbiteriano com quatro casamentos nas costas. Ele também nunca se tornaria um defensor da Teologia da Missão Integral, que nada mais é do que “outro evangelho.” Ele teria sido restaurado em seu casamento e liberto das tentações de se envolver com outros evangelhos.
Seja como for, Longuini pode ser um bom exemplo da Teologia da Missão Integral, mas não do verdadeiro Evangelho.
Além disso, só por que um deputado presbiteriano foi pioneiro na aprovação da lei do divórcio, que claramente Deus odeia, isso significa que os cristãos devem lutar pela aprovação de outros males que Deus odeia?
Temos de lutar contra a apostasia. A Bíblia diz:
“Sendo assim, amados, estando bem informados, guardai-vos para que não sejais conduzidos pelo erro e sedução dos que não têm princípios morais, vindo a perder a vossa segurança e cair.” (2 Pedro 3:17 KJA)
“O Espírito Santo afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns se desviarão da fé e darão ouvidos a espíritos enganadores e à doutrina de demônios.” (1 Timóteo 4:1 KJA)
Vários grandes apóstatas do Brasil tiveram passagem pela revista Ultimato, inclusive Ricardo Gondim, Caio Fábio e Robinson Cavalcanti.
Se nada fizermos contra a apostasia, os futuros reverendos Longuinis nos dirão: “Este é o meu quarto ‘casamento.’ Já tive três ‘maridos,’ mas o quarto é de fato minha paixão. Claro que se essa paixão apagar, nada me impede de buscar um quinto ‘marido.’ Afinal, a graça é gratuita. Louvo a deus pelos evangélicos que foram pioneiros na conquista do ‘casamento’ gay…” A desgraça do sexo fecal vai estar sob a proteção legal e teológica da graça progressista.
Na Ultimato, Marcos Botelho está entre amigos e aliados, inclusive com a articulista Bráulia Ribeiro, ex-diretora da JOCUM, que refutei em 2009 por dizer igualmente que os cristãos têm a obrigação de lutar pelo direito dos pecadores praticarem abominações homossexuais.
Mas talvez depois de quatro anos, ela tenha mudado. Tenho essa esperança porque dias atrás ela escreveu “Saí do armário, sou de direita.” A questão é que este artigo saiu naUltimato, um eterno vespeiro de esquerdistas. Espero que a “mudança” dela não seja como a de Marina Silva, que está se pintando de “conservadora” para agradar aos eleitores evangélicos.
O fato é que nunca vi nenhum dos grandes líderes evangélicos progressistas mudando para melhor. Todos se corromperam mais, inclusive Caio Fábio, Ricardo Gondim, Robinson Cavalcanti, etc.
Não me pergunte o que está acontecendo com os evangélicos. Um ano atrás, um bispo evangélico disse que os cristãos deveriam lutar pelos “direitos” das prostitutas.
Tenho até medo de perguntar, mas o que virá nos próximos anos? Evangélicos convocando outros evangélicos para lutar pelos “direitos” dos pedófilos?

O Cristianismo de Hoje: Celebrando a ditadura gay

Os progressistas sempre fazem “progressos” (basta perguntar ao Rev. Longuini) e sempre elogiam tais “progressos.” A revista Cristianismo Hoje, numa típica malícia esquerdista, publicou um artigo intitulado “O perigo da mordaça gay,” que parecia trazer um texto de alerta. Mas tudo o que parecia sério terminou no título, que é uma verdadeira arapuca, pois o texto em si louvou como “conquista” o fato de que o ministro Joaquim Barbosa obrigou os cartórios a realizar o “casamento” gay.
Cristianismo Hoje, quase que soltando fogos de artifício, disse sobre a medida ditatorial de impor o “casamento” gay no Brasil: “É o casamento gay, finalmente, sendo reconhecido, após uma batalha ideológica travada, nos últimos anos, pelos movimentos de afirmação homossexual — sobretudo em relação à Igreja cristã, sejam as evangélicas ou a Católica.” Da parte do “jornalista,” nada de condenar a ditatura e a imposição gay. O resto do texto é muito mais malícia e desconversações, enquanto a revista esquerdista deixa claro que os beneficiados diretos da medida ditatorial não são pecadores nem praticantes de abominações, mas simplesmente “homoafetivos,” um termo inofensivo e politicamente correto que não condiz nem com a Bíblia nem com a realidade, pois homens que praticam o homossexualismo não são movidos por amor e afeição, mas por lascívia e pecado. Para entender a diferença entre homoafetividade e homoerotismo, leia este artigo: http://bit.ly/13Vmnfq
Para aparentar neutralidade, o texto trás as falas de alguns evangélicos preocupados. Mas a fala do “jornalista,” que predomina imperiosamente no artigo, não insinua nenhuma preocupação com o “perigo” que ele mesmo destacou no título. O “jornalista cristão” está à vontade com os “homoafetivos” e suas conquistas, que são destacadas e celebradas sem o menor pudor. Há pois uma nítida tensão e contraste entre a total despreocupação e celebração do “jornalista” e as falas de alguns evangélicos entrevistados.
E quem é que acredita que a Cristianismo Hoje leva a sério “O perigo da mordaça gay”? Anos atrás, numa entrevista comigo, o mesmo “jornalista,” Carlos Fernandes, praticamente disse que tal perigo era pura alucinação minha e de outros cristãos. (A entrevista completa está aqui: http://bit.ly/XRENbx) Fernandes só usará o termo “O perigo da mordaça gay” como arapuca para atrair a cristãos desavisados. Se fosse sincero, o “jornalista” escreveria um título em conformidade com suas ideias predominantes no texto: “Venham conhecer e celebrar comigo as conquistas do movimento homossexual!”
O único motivo por que os apóstatas estão sempre em evidência é porque as revistas esquerdistas lhes dão holofotes. Em 2012, a Cristianismo Hoje fez uma entrevista com o apóstata Caio Fábio, o ex-chefe de Carlos Fernandes. A entrevista (que trato em meu e-book neste link: http://bit.ly/11zFSqq) foi feita por Danilo Fernandes, dono do tabloide sensacionalista Genizah, que faz “apologética” demonizando o neopentecostalismo e louvando a Teologia da Missão Integral. A opinião do autodenominado calvinista Danilo sobre o PLC 122? Não há perigo nem motivo para preocupação (confira neste link: http://bit.ly/15Q9Shz). Assim, se o “casamento” gay é o prenúncio do Juízo Final, os evangélicos progressistas só têm uma resposta: “Tragam as alianças!” Esquerdismo e apostasia andam de mãos dadas, quer usem alianças ou não.
Nem sempre a Cristianismo Hoje foi esquerdista. Em 1956, Billy Graham fundou a revista Christianity Today (cuja versão brasileira é a Cristianismo Hoje) para fazer frente ao esquerdismo da The Christian Century, a maior revista protestante nos Estados Unidos da década de 1950. Mas a Christianity Today acabou também sendo levada pelas mesmas poderosas forças esquerdistas que estão engolindo as grandes denominações protestantes americanas, muitas das quais já está ordenando pastores gays. Um dos famosos editores da Christianity Today, Philip Yancey, é um escritor progressista com notável abertura à agenda gay.
Por isso, se você pensou que poderia cancelar sua assinatura da Ultimato para assinar aCristianismo Hoje a fim de escapar da Teologia da Missão Integral e outras formas de esquerdismo evangélico, você só trocaria o veneno da tarântula pelo veneno do escorpião. E há muitas outras revistas evangélicas sem originalidade que se prestam a imitar o esquerdismo de ambas.
A ideologia esquerdista leva seus adeptos, sejam ateus ou não, a lutar pelo direito de praticar abominações. Marcos Botelho e sua revista Ultimato, Carlos Fernandes e sua revista Cristianismo Hoje e muitos outros promotores da Teologia da Missão Integral só estão sendo coerentes consigo mesmos e com suas ideologias quando usam suas vidas e seu evangelho como palanque do socialismo.
Anos atrás, como mostrei no meu artigo “Uma Resposta Carismática à ‘Crise Crescente por Trás da História de Sucesso Evangélico do Brasil’”, vi um presbitério inteiro incentivando todas as igrejas presbiterianas da região a fazer assinaturas da revistaUltimato como forma de se protegerem do neopentecostalismo.
Resta agora saber o que esses coitados, que estão há décadas assimilando ou até mesmo já paralisados pelo veneno esquerdista da Ultimato, farão para se proteger da apostasia gay que já paira no horizonte.
Se a tradição judaica de que o “casamento” gay foi o último ato de desafio a Deus antes do Juízo do Dilúvio está correta, então estamos à beira de outro Juízo. Mas desta vez, revistas e líderes evangélicos progressistas celebram e lutam por abominações e, sem perceberem ou temerem, apressam o Dia do Juízo sobre si e sobre a sociedade em que vivem.
Leitura recomendada:
Sobre casamento gay:

Precisamos urgente de "Leis de Defesa às Crianças" contra a propaganda homossexual e pedófilica como na Rússia.

Precisamos urgente de "Leis de Defesa às Crianças" contra a propaganda homossexual e pedófilica como na Rússia.

Clique no link abaixo para acessar a reportagem:
http://jornalismoreformacional.blogspot.com.br/2014/03/precisamos-urgente-de-leis-de-defesa-as.html

Teologia anti-Israel: um erro mortal

Teologia anti-Israel: um erro mortal

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://historiadeisrael.blogspot.com.br/2014/03/teologia-anti-israel-um-erro-mortal.html

Rompemos com a "Teologia da Missão Integral da Igreja", por causa do seu desvio a proposta original de Lausanne 1974 e a sua esquerdização e ideologização no Brasil e na América Latina.


Teologia da Missão Integral e Renato Vargens

Comentário de Julio Severo: Desde o lançamento um ano atrás do meu e-book contra a Teologia da Missão Integral (TMI), essa teologia vem sendo sistematicamente denunciada por escritores, sites e blogs. A pressão contra a TMI tem sido tão grande que até líderes calvinistas que sempre andaram muito bem na companhia dos promotores da TMI estão agora denunciando essa teologia. O exemplo mais recente é o Pr. Renato Vargens, que já foi citado no meu blog por recomendar “apóstolos” e sites da TMI, mas que agora, de forma inédita, sai ao ataque direto da TMI.
Renato Vargens
Vargens disse: “Ultimamente tenho sido inquirido por alguns sobre o que penso a respeito da Teologia da Missão Integral, até porque, um número grande de evangélicos influenciados por esse não tão novo conceito não falam de outra coisa em suas igrejas.”
Essa cobrança que ele e muitos outros pastores calvinistas estão recebendo sobre essa teologia é fruto dos esforços de muitos que ultimamente estão combatendo a TMI, inclusive a Rádio Vox, o Mídia Sem Máscara, Edson Camargo, Rev. Alberto Thieme, Dr. Fábio Blanco e muitos outros. Quanto ao “número grande de evangélicos influenciados” pela TMI, Niterói, a cidade de Vargens que é um centro de calvinismo, é prova do domínio da TMI no meio calvinista.
Espero que o ataque dele a TMI não seja apenas uma atitude sob pressão, ou fogo de palha, pois a TMI se tornou a maior praga da Igreja Evangélica do Brasil, conforme apontei no meu artigo “A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil.”
Apenas uma correção no texto de Vargens. Ele disse: “Penso que parte dos defensores da TMI adaptaram os ideais de Lausanne a uma Teologia latino Americana de cunho esquerdista e marxista.” Não, não foi isso o que aconteceu. Segundo o Dr. C. Peter Wagner, que esteve presente no primeiro Congresso de Lausanne em 1974 e escreveu a introdução do meu livro, teólogos protestantes tradicionais da América Latina foram a Lausanne com suas contaminações marxistas e conseguiram influenciar o documento final. Por isso, todo “apóstolo” da TMI cita Lausanne com alegria.
Seja como for, é bem-vinda a denúncia do Pr. Renato Vargens contra TMI. Esperemos que a escolha de suas companhias espelhe essa nova mudança.
A denúncia de Vargens foi feita no Púlpito Cristão, blog que já foi flagrado exibindo postura contra o neopentecostalismo e a favor do esquerdismo. Já tive embates com aliados do Púlpito Cristão, inclusive com Johnny Torralbo Bernardo, que tem histórico de ligação com o Partido Comunista do Brasil. Johnny, que se considera apologeta e tem artigos no Púlpito Cristão, me atacou recentemente e, ao mesmo tempo, defendeu a legalização da maconha. O exemplo dele é prova dos estragos da TMI nos meios protestantes tradicionais do Brasil.
Esperemos que Vargens e Púlpito Cristão tenham realmente mudado e que a mudança não seja da boca para fora, por pressão ou apenas fogo de palha. Se não for de fato isso, veremos ambos atacando a TMI da mesma forma que sempre atacaram Silas Malafaia e o neopentecostalismo: de forma sistemática, implacável e contínua.

Uma pequena nota sobre a Teologia da Missão Integral

Renato Vargens
Ultimamente tenho sido inquirido por alguns sobre o que penso a respeito da Teologia da Missão Integral, até porque, um número grande de evangélicos influenciados por esse não tão novo conceito não falam de outra coisa em suas igrejas.
Vale a pena ressaltar que o interessante é que muitos desses "integralistas", desconhecem os bases doutrinárias da TMI, bem como Lausanne 74. Na verdade, penso que parte dos defensores da TMI adaptaram os ideais de Lausanne a uma Teologia latino Americana de cunho esquerdista e marxista.
Isto posto, segue abaixo uma rápida nota sobre a Missão Integral.
O grande problema de alguns que defendem a TMI é que o fazem numa perspectiva reducionista e marxista. Para os defensores deste tipo de teologia o evangelho não passa de uma luta social onde o que importa é implementação de uma ideologia política. Lamentavelmente para estes o evangelho se reduz a intervenções sociais excluindo do foco da missão a pregação da única mensagem capaz de salvar o pecador, isto é, Cristo Crucificado. Ora, a igreja foi chamada para que prioritariamente pregue o evangelho e isso é ponto pacífico. Agora, é claro que a Igreja também pode e deve assistir os que sofrem as agruras de um mundo caído, contudo, não esqueçamos JAMAIS, que nossa missão é a glória de Deus e a salvação do pecador.
Para terminar tomo emprestado as palavras do Pastor Leonardo Gonçalves, missionário no Peru e editor do Púlpito Cristão:
"Alguns dos promotores da Missão Integral no Brasil parecem se inspirar mais no marxismo do que na Bíblia. Ora, confundir comunidade cristã com uma ideologia que foi responsável por milhões de mortes no mundo, incluindo muitos cristãos, é uma boçalidade. O discurso da Missão Integral tem servido de plataforma política para ideias esquerdistas, e sua super-ênfase no social tem levado alguns a pregar um conceito que beira a salvação pelas obras, algo abominável do ponto de vista bíblico."
Como bem disse o meu amigo Franklin Ferreira, nunca vi um hospital criado ou mantido por adeptos da Missão Integral.
Isto posto, termino dizendo: Quer auxiliar o pobre?  O faça. Quer alimentar os famintos? Aleluia! Quer socorrer os miseráveis? Bendito seja o Senhor! Agora, não esqueça que TUDO isso sem Cristo e sem a mensagem que confronta o pecador inviabiliza a pregação. Ressalto também que a rica tradição da igreja , com hospitais, escolas, universidades, organizações humanitárias nos ensina que não existe necessidade de divorciar a pregação do evangelho com o socorro ao necessitado, todavia não podemos e nem temos autoridade da parte de Deus para fazermos da Igreja uma ONG.
Lembre-se: Fomos chamados para pregar prioritariamente salvação do homem da condenação eterna.
É o que penso, é o que digo.
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

ATENÇÃO CRISTÃOS E EVANGÉLICOS: "PT volta com tudo na CDHM e quer uma ampliada agenda gay imposta no Brasil"

PT volta com tudo na CDHM e quer uma ampliada agenda gay imposta no Brasil

Militantes da CDHM agora falam em criminalizar brasileiros que são contra o lesbianismo e transexualismo

Julio Severo
Os petistas voltaram com carga total na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara Federal e colocaram na pauta nacional conceitos como “lesbiofobia” e “transfobia,” as novas invenções do lobby LGBT no Brasil.
CDHM sepulta ações de Marco Feliciano e abre caminho para mais items da agenda gay
A audiência pública que a CDHM realizou ontem, 19/03, foi divulgada pelo site da Câmara simplesmente como mais um “encontro com sociedade civil e movimentos sociais”.
Mas a pauta e a abordagem dos temas foram previamente combinadas com as militâncias, que estiveram presentes na audiência dando respaldo à “reabertura” da CDHM para os tais supostos “movimentos sociais,” compostos principalmente de ativistas gays.
Na sugestão de temas prioritários da pauta da audiência pública de ontem já constavam as novidades do lobby LGTB — que são produzidas em ambientes acadêmicos esquerdistas, sem contato com a realidade — como a “lesbiofobia.”
Na prática, é uma tentativa de enquadrar todo cidadão que se colocar contra a ideia de que o Estado deva conferir status especial à união de duas mulheres. A audiência é primeiro passo para que o cidadão que se opuser seja rotulado como “preconceituoso” e “criminoso.”
É mais uma armadilha plantada especificamente contra os cristãos e todo brasileiro que tenha uma consciência ética e moral.
O mesmo vale para a “transfobia.” O leitor a partir de agora poderá ganhar novos rótulos como “lesbiofóbico” ou “transfóbico.”
Além disso, é certo que partir da audiência de ontem, outras militâncias contra a “lesbiofobia” e a “transfobia” deverão ganhar legitimidade política e terão o caminho livre para receber muito dinheiro público para lutar contra tais “preconceitos” nas escolas, novelas e grandes mídias
É claro tudo é fruto de um “esquecimento seletivo” da militância LGBT, pois casos de violência já são punidos. Tudo isso é milimetricamente ignorado, assim como todo o código penal, para que a militância tenha sua bandeira usufruindo todas as mordomias dos cofres estatais — sustentados por uma maioria de brasileiros que, de acordo com o próprio PT, é, de uma forma ou de outra, contra as práticas homossexuais. Na visão oficial do governo brasileiro, 99 por cento dos brasileiros precisam ser reeducados, bem ao estilo stalinista, para abandonarem sua aversão ao homossexualismo.

“Nova família”

Outro tema incluído na pauta da audiência pública de ontem diz respeito ao debate sobre o papel da família, “compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa.”
Ou seja, a CDHM discutirá novos modelos para a família brasileira, buscando redefini-la conforme os caprichos da militância gay, como se a família fosse um mero brinquedo na mão de ideólogos sem escrúpulos e sem coração.
Na justificativa da introdução do debate sobre a família, a CDHM fala na necessidade de “combater a violência e a intolerância.” Novamente, quem se opuser ao trabalho sujo de uma minoria barulhenta e desordeira para impor novos modelos de família será tachado, automaticamente, de “intolerante” e “criminoso.”
Não por acaso, no item anterior, a audiência apresenta como tema prioritário de discussão a “estrutura curricular do sistema de ensino que contemple a pluralidade e a diversidade,” que certamente deverá abrigar os novos conceitos produzidos pela militância LGBT. Crianças nunca estão de fora das ambições ideológicas do movimento homossexual.
Nos bastidores da Câmara Federal, pessoas próximas do PT confirmam que o deputado Assis do Couto (PT-PR), recém eleito presidente da CDHM, pretende reencaminhar a comissão no alinhamento de todos os itens da agenda homossexual, dando força total e munição às militâncias que antes eram “boicotadas por Feliciano.”
Agora sob o comando do PT, a comissão essencialmente sepultou tudo o que Feliciano fez.
A gestão de Feliciano na presidência da comissão foi bastante tumultuada e marcada por uma sistemática oposição de militantes homossexuais, que o acusavam de “homofobia” e racismo — uma acusação boba, pois Feliciano é descendente de negros e seu comentário, usado para acusá-lo de racismo, se restringiu apenas à interpretação da maldição que Noé lançou sobre um de seus descendentes. Mesmo assim, as esquerdas e os grupos homossexuais não o perdoaram. Contudo, quando o maior blog pró-Dilma caricaturizou o ministro Joaquim Barbosa como “macaco” por ele ter condenado os criminosos petistas envolvidos no mensalão, as mesmas esquerdas e grupos homossexuais se calaram, mostrando que a oposição a Feliciano é puramente política e ideológica.
Agora que a CDHM está nas mãos do PT, até membros da bancada evangélica declaram se sentir mais “aliviados” com Feliciano fora de sua presidência. “Na verdade, durante todo o ano passado tivemos momentos muito difíceis, tensos, que queremos deixar para trás,” disse Roberto de Lucena, pastor evangélico e deputado do Partido Verde.
Apesar do bom desempenho da bancada evangélica em muitas importantes frentes de batalha a favor da família, muitos deputados evangélicos continuam alinhados ao PT e ao socialismo. Poucos têm a coragem de Feliciano de romper com o PT e assumir uma postura de defender interesses pró-família custe o que custar. A maioria prefere “deixar para trás” o testemunho de Feliciano, facilitando o trabalho sujo dos que querem modificar a família brasileira e impor uma ditatorial agenda homossexual na sociedade.
Com informações da Folha de S. Paulo e jornalista com base em Brasília.
Leitura recomendada:

Contra o estado-providência. (Gary North é um teólogo, historiador e economista presbiteriano. Escreveu comentários de quase todos os livros da Bíblia.)

Contra o estado-providência. (Gary North é um teólogo, historiador e economista presbiteriano. Escreveu comentários de quase todos os livros da Bíblia.)

Clique no link abaixo para acessar o artigo:
http://economiareformacional.blogspot.com.br/2014/03/contra-o-estado-providencia-gary-north.html

quarta-feira, 12 de março de 2014

Liberalismo fustiga a Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos. Uma de suas maiores congregações abandona a PCUSA

Liberalismo fustiga a Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos. Uma de suas maiores congregações abandona a PCUSA


Rev. John Ortberg

Membros de uma das maiores e mais conhecidas congregações da igreja Presbiteriana (EUA) decidiram deixar  a denominação, mesmo tendo de enfrentar custos da ordem de nove milhões de dólares

A congregação de Menlo Park Presbyterian é baseada na área da baia de São Francisco e é liderada pelo conhecido autor e pastor John Ortberg. É a nona maior igreja presbiteriana dos estados unidos com cerca de 4.000 membros, incluindo a ex-secretária de Estado, Condoleezza Rice, a mulher-forte dos governos dos Bush.

O movimento para deixar a PCUSA foi aprovado por 93 por cento dos membros da congregação, de acordo com a carta enviada por Ortberg a PCUSA. 

Foi determinado que para manter a propriedade onde se localiza a congregação seria necessário ressarcir à PCUSA em 8.890 mil dólares, entre outros aspectos tratados no acordo de saída.

Já há alguns anos a PCUSA vem sofrendo com discórdias na liderança e cismas decorrentes de posições muito liberais de alguns líderes da denominação. Um dos assuntos que mais tem dividido a igreja são os relativos a permissão de ordenação de ministros gays celibatários e a definição de casamento incluindo casais homossexuais. Questões obviamente inaceitáveis para qualquer cristão sério.

Menlo Park Presbyterian
O liberalismo teológico também fustiga a PCUSA. "Surpreendentemente, há muitos pastores PC (EUA)-ordenados que não acreditam, por exemplo, na divindade de Cristo, ou na salvação pela fé em Cristo", afirmou Ortberg em uma declaração oficial da igreja Menlo Park Presbyterian , referindo-se a uma pesquisa de opinião realizada em 2011 entre os membros nacionais da PCUSA. Surpreendentemente, na investigação apenas quarenta e um por cento da amostra concordou com a declaração, "Somente os seguidores de Jesus Cristo pode ser salvo." Um escandaloso indício de que o liberalismo está varrendo a PCUSA.

Os irmãos de Menlo Park Presbyterian votaram para participar de uma nova denominação chamada ECO, uma Aliança de Evangélicos presbiterianos, que já atraiu 115 outras igrejas presbiterianas desde que começou em 2012

A PCUSA tem 1,8 milhões de membros e está perdendo, em média 60.000 por ano, de acordo com a própria denominação



Com informações do Washington Post


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2014/03/liberalismo-fustiga-igreja.html#ixzz2vnpQnIyq
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

terça-feira, 11 de março de 2014

(Oração e Ação) - Todos contra a Ideologia Fascista, Comunista e Sodomita da "Ideologia e Agenda de Gênero" como diretriz obrigatória no sistema escolar brasileiro.

Clique no link abaixo para acessar as denúncias e os alertas:
http://generoediversidadenaescola.blogspot.com.br/2014/03/oracao-e-acao-todos-contra-ideologia.html 

quinta-feira, 6 de março de 2014