domingo, 29 de junho de 2014

Sugestão de leitura: O Verdadeiro Che Guevara - e os idiotas úteis que o idolatram - Acompanha um DVD com o documentário: "GUEVARA: anatomia de um mito" by Humberto Fontova (Jornalista, cientista político e mestre em estudos latino-amercianos pela Universidade de Tulane e fugitivo de Cuba)

Sugestão de leitura: O Verdadeiro Che Guevara - e os idiotas úteis que o idolatram - Acompanha um DVD com o documentário: "GUEVARA: anatomia de um mito" by Humberto Fontova (Jornalista, cientista político e mestre em estudos latino-amercianos pela Universidade de Tulane e fugitivo de Cuba)

Clique no link abaixo para acessar maiores informações:
http://historiareformacional.blogspot.com.br/2014/06/sugestao-de-leitura-o-verdadeiro-che.html 

sábado, 28 de junho de 2014

Palestra: Uma introdução técnica, política e cristã sobre as Drogas

Uma introdução técnica sobre as drogas...

Uma introdução das principais políticas públicas e partidos políticos (esquerdismos, verdismo e liberalismo radical) defensores das drogas...

Uma introdução bíblica, cristã e teológica sobre drogas e o seu tratamento e libertação em Cristo Jesus.


Por que creio que os dons sobrenaturais do Espírito Santo continuam hoje by Rev. Sam Storms

Por que creio que os dons sobrenaturais do Espírito Santo continuam hoje

Rev. Sam Storms
Comentário de Julio Severo: O Rev. Sam Storms é um teólogo calvinista americano. Às vezes, parece que todo calvinista é cessacionista. Mas isso é tão verdade quanto dizer que todo calvinista é maçom. Graças a Deus, há calvinistas se levantando contra essas duas heresias no meio deles. No final deste artigo, há links para mais artigos sobre o mesmo assunto.


E então, por que sou continuísta? Seguem minhas razões (por favor note que escrevi diversos artigos que fornecem ampla evidência para os pontos que defendo, mas a limitação de espaço me permite apenas citá-los nominalmente. Todos podem ser encontrados no meu site.
Deixe-me começar com a presença sólida, certamente difundida e inteiramente positiva de todos os dons espirituais por todo o Novo Testamento (NT). Os problemas que surgiram na igreja de Corinto não se deram por conta dos dons espirituais, mas por pessoas imaturas. As advertências de Paulo não se referiam aos dons de Deus mas, sim, à distorção infantil, ambiciosa e orgulhosa da parte de alguns.
Além do mais, começando com o Pentecoste e percorrendo todo o livro de Atos, vemos que toda vez que o Espírito era derramado sobre os novos convertidos, eles experimentavam do seu carisma. Não há nada que indique que esses fenômenos eram restritos a eles e à época. Tais manifestações parecem ser tanto difundidas quanto comuns na igreja do NT. Os cristãos em Roma (Rm 12), Corinto (1 Co 12-14), Samaria (At 8), Cesareia (At 10), Antioquia (At 13), Éfeso (At 19), Tessalônica (1 Ts 5) e Galácia (Gl 3) experimentaram dos dons de milagres e revelação. É difícil imaginar como os autores do NT poderiam ter falado mais claramente sobre como deveria ser o Cristianismo da Nova Aliança. Em outras palavras, o fardo de provar o contrário está com o cessacionista. Se certos dons de uma classe especial cessaram, a responsabilidade de prová-lo depende dele ou dela.

Evidência extensa

Gostaria de apontar também a extensa evidência neotestamentária dos chamados dons milagrosos entre cristãos que não são apóstolos. Ou seja, vários homens e mulheres que não eram apóstolos, jovens e anciãos, em toda a extensão do império romano exerciam de maneira consistente esses dons do Espírito (e Estevão e Felipe ministravam no poder de sinais e maravilhas). Aqueles que exerciam os dons miraculosos mas não eram apóstolos são (1) os 70 que foram comissionados em Lucas 10.9, 19-20; (2) pelo menos 108 pessoas dentre os 120 que estavam reunidos no salão superior no dia de Pentecostes, (3) Estevão (At 6,7); (4) Felipe (At 8); (5) Ananias (At 9); (6) membros da igreja de Antioquia (At 13); (7) convertidos anônimos em Éfeso (At 19.6); (8) mulheres em Cesareia (At 21.8,9); (9) os irmãos sem nome de Gálatas 3.5; (10) crentes em Roma (Rm 12.6-8); (11) crentes em Corinto (1 Co 12-14); e (12) cristãos em Tessalônica (1 Ts 5.19,20).
Também temos que dar espaço para o objetivo explícito e frequentemente repetido do propósito dos carismas: nomeadamente, a edificação do corpo de Cristo (1 Co 12.7; 14.3; 26). Nada do que leio no NT ou do que vejo na condição da igreja em qualquer era, passada ou presente, me leva a crer que progredimos além da necessidade pela edificação – e consequentemente além da necessidade pela contribuição dos carismas. Eu confesso livremente que os dons espirituais foram essenciais para o nascimento da igreja, mas por que eles seriam menos importantes ou necessários para o crescimento e amadurecimento contínuos?
Há também a continuidade fundamental ou o relacionamento espiritual orgânico entre a igreja de Atos e a igreja dos séculos subsequentes. Ninguém nega que houve uma era ou período no começo da igreja que chamemos de “apostólica”. Temos que reconhecer o significado da presença pessoal e física dos apóstolos e o seu papel único na formação da fundação da igreja nos primeiros séculos. Mas não há no NT qualquer coisa que sugira que certos dons espirituais eram exclusiva e unicamente ligados a eles ou que os dons se encerraram com a partida deles. A igreja universal ou corpo de Cristo que foi estabelecida por meio do ministério dos apóstolos é a mesma igreja universal e corpo de Cristo hoje. Estamos juntos com Paulo, Pedro, Silas, Lídia, Priscila e Lucas, membros do mesmo corpo de Cristo.
Bem ligado ao ponto anterior é o que Pedro diz em Atos 2, referente aos ditos dons miraculosos como característicos da era pactual da igreja. Como já disse D. A. Carson: “A vinda do Espírito não está associada meramente com o nascimento da nova era, mas com a sua presença, não meramente com o Pentecoste, mas com todo o período do Pentecoste até o retorno de Jesus, o Messias” (em A Manifestação do Espírito, Ed. Vida Nova). Novamente, os dons de profecia e línguas (At 2) não são retratados como mera inauguração da nova era pactual, mas para caracterizá-la (não esqueçamos de que a era atual da igreja equivale aos “últimos dias”).
Devemos também notar 1 Coríntios 13.8-12. Nesse texto Paulo certifica que os dons espirituais não “passarão” (ver v.8-10) até a vinda do “perfeito”. Se o “perfeito” é realmente a consumação do propósito redentivo de Deus tal qual expressado pelo novo céu e nova terra seguindo a volta de Cristo, podemos confiantemente esperar que Ele continue a abençoar e capacitar a sua igreja com dons até aquela hora.
Um ponto semelhante aparece em Efésios 4.11-14. Aqui, Paulo fala de dons espirituais (junto com o ofício de apóstolo) – e particularmente dos dons de profecia, evangelismo, pastoreio e ensino – como construção da igreja “até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo” (V. 13, NVI – grifos meus). Já que a plenitude de Cristo certamente ainda não foi atingida pela igreja, podemos antecipar com confiança a presença e o poder de tais dons até que aquele dia chegue.
Gostaria de também apontar a ausência de uma noção explícita ou implícita de que devemos enxergar os dons espirituais de maneira diferente que outras práticas e ministérios neotestamentários retratados como essenciais à vida e ao bem estar da igreja. Quando lemos o NT, parece evidente que a disciplina na igreja deve ser praticada em nossas assembleias atuais, devemos celebrar a mesa do Senhor e o batismo com água e que os requerimentos para o exercício do ancião como descrito nas epístolas pastorais ainda determinam como a vida na igreja deve ser levada, citando apenas alguns. Quais boas razões exegéticas ou teológicas podem ser dadas para explicar por que devemos tratar a presença e operação dos dons espirituais de maneira diferente?

Testemunho consistente

Ao contrário do que muitos pensam, há um testemunho consistente ao longo de grande parte da história da Igreja referente à operação dos dons miraculosos do Espírito. Simplesmente não é verdade que os dons cessaram ou desapareceram da vida no começo da Igreja após a morte do último apóstolo. O espaço não permite citar a evidência maciça concernente, então me referirei a quatro artigos que escrevi com uma documentação extensa (ver Spiritual Gifts in Church History).
Cessacionistas frequentemente argumentam que sinais e maravilhas, assim como certos dons, serviram somente para confirmar e autenticar o grupo original de apóstolos e que quando esses morreram, também cessaram os dons. A verdade é que nenhum texto bíblico (nem mesmo Hb 2.4 ou 2 Co 12.12, dois textos que explico em artigos no www.samstorms.com) chega a dizer que sinais e maravilhas ou certos dons espirituais serviram para autenticar os apóstolos. Sinais e maravilhas autenticaram Jesus e a mensagem apostólica referente a ele. Se sinais e maravilhas foram designados exclusivamente para autenticar os apóstolos, não temos como explicar porque pessoas que não eram apóstolos (como Felipe e Estevão) foram capacitados a exercê-los (ver especialmente 1 Co 12.8-10, onde o “dom” de “milagres”, entre outros, foi dado a crentes medianos, que não eram apóstolos).
Portanto, essa é uma boa razão para ser cessacionista apenas se você puder demonstrar que a autenticação ou testificação da mensagem apostólica era o propósito único e exclusivo de tais demonstrações de poder divino. Todavia, em nenhum lugar do NT o propósito ou função dos milagres ou carismas é reduzido à testificação. O agir miraculoso, em qualquer forma que seja, servia a outros propósitos distintos: doxológico (para glorificar a Deus: Jo 2.11, 9.3, 11.4, 11.40 e Mt 15.29-31); evangelístico (para preparar o caminho para que o Evangelho fosse conhecido: ver At 9.32-43); pastoral (como expressão de compaixão e amor e cuidado com as ovelhas: Mt 14.14; Mc 1.40,41); e edificação (para levantar e fortalecer os crentes: 1 Co 12.7 e o “bem comum”; 1 Co 14.3-5, 26).
Todos os dons do Espírito, seja línguas ou ensino, profecia ou misericórdia, cura ou auxílio, foram dados (dentre outras razões) para a edificação, fortalecimento, encorajamento, instrução, consolo e santificação do corpo de Cristo. Então, mesmo que o ministério dos dons miraculosos para atestar e autenticar tenha cessado, um ponto que concedo apenas para efeitos de argumentação, tais dons teriam que continuar a funcionar na igreja pelas outras razões citadas.

Ainda final e suficiente

Talvez a objeção mais comum dos cessacionistas seja que reconhecer a validade dos dons de revelação, como profecia e palavra de conhecimento, necessariamente compromete a finalidade e suficiência das Escrituras Sagradas. Mas esse argumento é baseado na falsa suposição de que esses dons nos dão verdades infalíveis com igual autoridade à do próprio texto bíblico (veja o meu artigo “Why NT Prophecy Does NOT Result in ‘Scripture-Quality’ Revelatory Words“).
Também é mencionado o apelo cessacionista a Efésios 2.20, como se esse texto descrevesse todo o possível ministério profético. O argumento diz que os dons de revelação como profecia foram unicamente ligados aos apóstolos e portanto designados para funcionar apenas durante o dito período de fundação da igreja nos primeiros séculos. Abordo esta visão fundamentalmente errônea em detalhe aqui. Um exame cuidadoso das evidências bíblicas referentes tanto à natureza do dom de profecia quanto à sua extensa presença entre cristãos indica que este dom servia a outros propósitos muito além da fundação da igreja. Portanto, nem a morte dos apóstolos, nem o desenvolvimento da igreja além dos seus primeiros séculos têm importância sobre a validade de profecias para hoje. Também é citado com frequência o argumento do agrupamento, por assim dizer, que diz que os fenômenos miraculosos e sobrenaturais foram supostamente concentrados ou agrupados em períodos específicos na história redentora. Já abordei este argumento num outro artigo e mostrei que é falso.
Finalmente, apesar de tecnicamente não ser uma razão ou argumento para ser um continuísta, não posso ignorar a experiência. O fato de que eu já vi todos os dons espirituais sendo operados, de ter testado e confirmado e os experimentado em primeira mão em inúmeras ocasiões. Como afirmei, esta não é tanto uma razão para se tornar um continuísta, e mais uma confirmação (apesar de não ser infalível) da validade dessa decisão. A experiência, isolada do texto bíblico, prova muito pouco. Mas a experiência deve ser considerada, especialmente se esta ilustra ou incorpora aquilo que vemos na palavra de Deus.
Nota – Abertos para Reforma: texto traduzido com autorização de The Gospel Coalition, publicado originalmente no dia 23 de janeiro de 2014 aqui.
Divulgação: www.juliosevero.com

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Organização Repórteres sem Fronteiras condena “lista negra” de profissionais divulgada pelo PT. A “lista negra” inclui os nomes de Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes Diogo Mainardi, Lobão e dos humoristas Danilo Gentili e Marcelo Madureira.

Organização Repórteres sem Fronteiras condena “lista negra” de profissionais divulgada pelo PT. A “lista negra” inclui  os nomes de Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes Diogo Mainardi, Lobão e dos humoristas Danilo Gentili e Marcelo Madureira.

Clique no link abaixo para acessar a matéria: 
http://jornalismoreformacional.blogspot.com.br/2014/06/organizacao-reporteres-sem-fronteiras.html

Por que nunca mais serei presbiteriano by Joseph Farah

Por que nunca mais serei presbiteriano

Joseph Farah
Comentário de Julio Severo: Joseph Farah, autor deste artigo, é dono do WND, um dos maiores portais conservadores dos EUA, e denuncia o avanço da maior denominação presbiteriana dos EUA em atitudes a favor do “casamento” gay e contra Israel. Tudo isso é fruto do liberalismo teológico. É um triste exemplo, pois no Brasil o mesmo liberalismo, de orientação esquerdista, também está avançando, e haverá frutos. No final deste artigo, há vários links com mais alertas sobre questões de “casamento” gay, Israel e presbiterianos nos EUA e no Brasil, para ajudar você a entender o que o liberalismo teológico fez com os presbiterianos dos EUA e o que está fazendo com os presbiterianos do Brasil.
Detesto confessor isso.
Mas já fui membro da Igreja Presbiteriana dos EUA (conhecida pela sigla PCUSA).
Foi muito tempo atrás, mas posso lhe garantir que não voltarei. Faz muito tempo que deixei, de forma definitiva. Nunca pensei em voltar.
Para mim, essa denominação está morta.
Joseph Farah
Não fique ofendido se você ainda é membro. Só dê uma olhada no que está acontecendo em sua igreja — da qual você é parte, onde seus dízimos e ofertas estão sustentando. É uma agenda maligna. Está completamente errada aos olhos de Deus.
Na semana passada, houve duas afrontas da Assembleia Geral, a direção dessa denominação apóstata do inferno.
Primeiro, ela votou por 429 votos contra 175 votos para aprovar o “casamento” homossexual — mudando a linguagem que definia o casamento como uma união entre um homem e uma mulher para “duas pessoas.” Os 172 presbitérios dessa denominação votarão sobre essa mudança no próximo ano, mas com uma votação pervertida dessas, não tenho muita esperança de uma rebelião a nível dos membros. Num assunto relacionado, a assembleia votou por 328 votos contra 238 para permitir que os pastores da denominação presidam sobre “casamentos” homossexuais em jurisdições em que tais uniões são legais.
O Comitê Laico Presbiteriano chamou essa atitude de “uma abominação.” Tenho novidades para essa gente: Quando sua “igreja” começar a aprovar abominações, é hora de procurar outra igreja. Para mim é um mistério: não sei por que essa gente está demorando tanto para sair. Em 2011, a Assembleia votou para ordenar pastores que têm parceiros homossexuais.
É claro que encontrar outra igreja que não zombe do Deus que afirma adorar não vai ser fácil. A Igreja Episcopal começou a permitir a bênção de “casamentos” homossexuais no ano passado. A Igreja Unida de Cristo permite esses casamentos desde 2005. A Igreja Evangélica Luterana nos EUA permite que pastores de igrejas individuais decidam.
O “casamento” homossexual não é apenas uma abominação. É contraditório.
O Deus da Bíblia literalmente definiu o casamento no Jardim do Éden. Essa definição foi confirmada por Seu Filho Jesus durante Seu ministério terreno — mais prova de que Deus não muda de ideia. Ele é o mesmo ontem, hoje e amanhã. Ele não comete erros. Ele faz tudo certo desde a primeira vez. Aliás, Ele define o que é certo — e errado. E Ele é aquele que chamou o próprio ato dos homens deitando com homens e mulheres deitando com mulheres de “abominação.”
Uma coisa é um ateu apoiar essa ideia passageira.
Uma coisa é um humanista secular agnóstico apoiá-la.
Uma coisa é um não-cristão ou não-judeu apoiá-la.
Mas é outra coisa inteiramente diferente alguém que afirma crer que a Bíblia é a Palavra de Deus ou se chama cristão fazer isso — sem mencionar uma denominação inteira.
É simplesmente herético, sem mencionar irracional.
Poucas coisas poderiam ser mais claras na Bíblia do que a postura de Deus sobre o fato de que o casamento é uma instituição criada exclusivamente para homens e mulheres.
A primeira menção de casamento na Bíblia vem no começo — em Gênesis 2:24 — onde está escrito, depois da criação de Eva: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” (ACF)
É interessante que a maioria dos usos da palavra “apegar-se” na Bíblia envolve mandamentos dados por Deus para “se apegar” a Ele. E a Bíblia é cheia de paralelos entre o casamento de homens e mulheres e o relacionamento entre o povo e Deus.
Evidentemente, há muitos tão chamados “cristãos” que não levam a sério o Antigo Testamento. Não faz muito sentido, pois é o Antigo Testamento que profetiza o futuro Messias e as credenciais daquele ao qual todos os verdadeiros cristãos adoram como o Filho de Deus e seu redentor — Jesus.
Mas vamos colocar de lado por enquanto essa contradição. Qualquer um que se classifica de cristão, um seguidor de Jesus, não tem desculpa nenhuma sobre a definição do casamento, pois o próprio Jesus o definiu — não num, mas em dois registros do Evangelho.
Em Mateus 19:4-5, Ele disse: “Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne?” (ACF)
De modo semelhante em Marcos 10: 6-9, Ele disse: “Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.” (ACF)
Nessa última frase, “não o separe o homem,” Jesus estava falando sobre o rompimento de um único casamento. Foi um alerta contra a pilhagem do divórcio. Contudo, tem aplicações mais irrefutáveis para os que buscam separar a instituição inteira do casamento redefinindo-a conforme a mais recente moda popular.
Os Estados Unidos estão numa crise moral e espiritual neste momento. Os sinais estão em toda arte. O pecado está desenfreado. Todo homem faz o que é certo aos seus próprios olhos. Deus deu uma prescrição para tempos como estes em 2 Crônicas 7:14: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” (ACF)
Eu ainda sustento a esperança de que Seu povo, que é chamado por Seu nome, se humilhará e orará e buscará Sua face e se arrependerá de seus caminhos maus. Eu gostaria que Deus ouvisse isso. Eu gostaria que Ele perdoasse nosso pecado. Eu gostaria que Ele curasse nossa terra. Mas essa decisão da PCUSA não é um bom sinal — bom de jeito nenhum. Isso é apostasia descarada e deliberada. Incentiva o pior tipo de juízo.
Mas isso não é tudo! A corrupta e não arrependida Igreja Presbiteriana dos EUA não cometeu apenas um ato chocante.
Um dia depois dessa votação, a mesma direção votou por 310 votos contra 303 para apoiar campanhas para que todos os membros da denominação parem de investir em empresas que fazem negócio com Israel.
Por que?
Por que a ênfase na PCUSA está no PC — para politicamente correto. Israel é o presente de Deus para as nações do mundo. Isso não significa que o Estado de Israel seja perfeito. É governado por seres humanos. Mas é a menina dos olhos de Deus, conforme ficamos sabendo em Zacarias 2:8. Quem deve disciplinar Israel é Deus. É Ele que tem uma aliança eterna com Seu povo.
Não só isso, mas é nessa promessa a Israel mediante a qual os que não são judeus são “enxertados.”
“Estabelecerei minha Aliança entre mim e ti, e teus futuros descendentes, de geração em geração, uma Aliança perpétua, para ser o teu Deus e o Deus te tua raça, depois de ti. A ti, e à tua descendência depois de ti, darei a terra que hoje habitas como estrangeiro, toda a terra de Canaã, em possessão eterna, e Eu serei o vosso Deus!” (Gênesis 17:7-8 KJA)
Israel representa a maior prova de que Deus é real. É um exemplo vivo da profecia bíblica cumprida.
“Então as nações saberão que Eu Sou Yahweh, o Eterno e Soberano, quando Eu for santificado diante delas, assevera o SENHOR Deus. Porquanto vos tirarei dentre as nações e vos reunirei de todas as terras e os conduzirei de volta para a vossa própria terra.” (Ezequiel 36:23-24 KJA)
 “‘Contudo, estão chegando os dias’, afirma o SENHOR, ‘quando já não mais se dirá: “Juro pelo Nome de Yahweh, que libertou os israelitas do Egito.”’ Antes dirão: ‘Juro pelo Nome de Yahweh, que trouxe os israelitas do Norte e de todos os países para onde ele os havia expulsado’. Eu os conduzirei de volta para a sua terra, terra que dei aos seus antepassados.” (Jeremias 16:14-15 KJA)
É isso o que o moderno Estado de Israel representa.
Mas é claro que os líderes da PCUSA não sabem ou não se importam com a Bíblia. É claro que eles não conhecem a mente do Deus que afirmam adorar. Mas até mesmo uma pessoa espiritualmente cega e racional deveria estar em condições de ver a razão por que esse movimento que boicota investimentos em Israel é tão errado. Será que Israel é uma das piores nações da terra? Claro que não. É uma das melhores. Será que Israel é uma das maiores nações da terra? Não, é uma das menores. Israel oprime seu povo? Não, Israel oferece mais liberdade do que a maioria das nações da terra. Israel oprime seus vizinhos? Não, Israel está cercado de nações que buscam destruí-lo, mas mostra contenção extraordinária ao lidar com eles — constantemente se inclinando para trás para fazer paz quando parece impossível.
Fico pensando: quais são os outros países que estão sendo alvos da campanha de boicote da PCUSA? Será que a PCUSA está boicotando países que perseguem os crentes em Jesus? Será que está boicotando os países que massacram seu próprio povo? Será que está boicotando os países que patrocinam o terrorismo? Será que está boicotando os países que matam de fome seu próprio povo? Será que está boicotando os países que ainda permitem a escravidão? Será que está boicotando os países que oprimem as mulheres? Será que está boicotando os países que fazem limpeza étnica em sua população?
Não, está boicotando a terra de Deus. Está boicotando o único país verdadeiramente livre no Oriente Médio. Está boicotando uma nação pequenininha que está sofrendo agressões de todos os cantos do mundo. Está boicotando o único refúgio para as pessoas mais perseguidas do mundo. Está boicotando o povo escolhido de Deus.
É por isso que é tempo de desinvestir seu tempo, dinheiro e energia se você ainda é membro da Igreja Presbiteriana dos EUA.
Traduzido por Julio Severo do artigo do WND: Why I will never be a Presbyterian, again
Leitura recomendada:
Sobre Igreja Presbiteriana:
Sobre Israel:
Sobre “casamento” gay:
Liberalismo na Igreja Presbiteriana do Brasil:

6 comentários:

Anônimo disse...
Lastimavel e lamentavel o que tambem esta acontecendo com a Igreja Presbiteriana do Brasil, quando , por exemplo, o reverendo Amaral, do Rio de Janeiro, faz aliancas a pactos com feiticeiros e bruxos, amplamente divulgados e documentados por esse site, quando ha varios presbiteros e reverendos enchendo as lojas maconicas no Brasil e na america latina, quando negam de forma categorica o mover do Espirito Santo nas curas e suas manifestacoes. Impressionante a cegueira espiritual desses lideres prebiterianos que lideram conselhos locais, concilos e ate mesmo o supremo concilio da Igreja Presbiteriana do Brasil, isso sem falar da sua universidade em Sao Paulo, que abre suas portas para ser alimentada em palestra por deputado federal gay.

Oremos para que os Presbiterianos se arrependem de seus pecados e iniquidades e voltem ao simples e puro evangelho do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Pastor Caleb.
PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...
Usando um tom carregado para me expressar, eu diria o seguinte: do jeito que o pecado já contaminou o mundo inteiro, muitas pessoas procuram uma igreja ou religião que satisfaça somente as suas próprias conveniências pessoais (ou que não diga nem faça nada contra o pecado). Em outras palavras: muitas pessoas só querem acreditar no que elas desejam (e não no que elas realmente precisam). Não é de se espantar que o que vivemos hoje é uma total inversão de valores: o errado é certo, o certo é errado, o mal virou bem, o bem virou mal, enfim, os preceitos morais da nossa sociedade estão completamente ao contrário. É como bem disse o profeta Isaías:

"Ai daqueles que chamam o mal de bem, e o bem de mal; que fazem da luz as trevas, e das trevas a luz; que fazem do amargo o doce, e do doce o amargo" (Isaías 5:20)

Não será surpresa se, qualquer hora dessas, criarem uma lei nos obrigando a adorar ao diabo (e nos proibindo de crer em Deus). Aliás, do jeito que existe tanta podridão e tanta imoralidade reinando tanto aqui no Brasil como também em todo o mundo, eu nem me espantaria se uma lei dessas fosse aprovada. Em virtude isso, não é sem razão que a Bíblia diz que "o mundo jaz no maligno" (1 João 5:19)

Eu diria mais: está sendo muito difícil, ultimamente, achar cristãos autênticos (que tenham compromisso somente com a obediência à Palavra de Deus). Quem quiser ser um verdadeiro cristão tem que ter uma postura firme e forte para combater o pecado (e, ao mesmo tempo, estar pronto para ser odiado pelos homens). Mas quantos, hoje, teriam essa mesma disposição?

Jesus, na Sua primeira vinda à Terra, não veio para agradar aos homens. E por agir assim, Ele foi odiado por muitos (principalmente pelos poderosos da época). Por que Jesus foi odiado? Porque Ele sempre falava a verdade. Ele desmascarava os hipócritas (e Ele também revelava os pecados ocultos de muitos). Quem fala a verdade sempre é odiado. Se com Jesus foi assim, quanto mais com os Seus servos!

O nosso amado irmão Júlio Severo é um bom exemplo isso. Por ter falado a verdade sobre o movimento homossexual, ele passou a ser odiado (e também perseguido) pelos homossexuais e pelo governo (já quiseram até saber o endereço dele, se é que já não o ameaçaram de morte). Por causa disso, ele teve que ir, com a família, para um exílio forçado no exterior.

Este é o doloroso preço que o verdadeiro cristão tem que pagar pela sua fidelidade a Jesus (e pela sua luta contra o pecado). Quantos, hoje, fariam como os fiéis da igreja de Esmirna (que, por amor a Jesus e à verdade da Sua Palavra, aceitaram a morte sem nenhum medo)? Quem, nos dias de hoje, teria a mesma postura firme de um Elias, um Jeremias, ou um João Batista para combater o pecado (e também para falar certas verdades que muitos estão precisando ouvir)?

Os mártires da fé cristã não hesitaram quando foram obrigados a escolher entre o pecado e a morte. O lema deles era: "Antes morrer do que pecar". Eles permaneceram firmes nas suas convicções, e acreditavam que esta corajosa decisão que tomavam agora certamente será lembrada no tribunal divino.

Se estivermos realmente decididos a ser verdadeiros cristãos (ainda que tenhamos que ser odiados pelo mundo), temos que obedecer ao que Jesus diz em Sua Palavra:

"Se alguém quiser vir após Mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz, e Me siga. Pois quem desejar salvar sua vida vai perdê-la, mas aquele que perder a sua vida por amor a Mim vai achá-la. Porque de que adiantará ao homem conquistar o mundo inteiro e perder a sua alma? Que dará o homem em troca de sua alma?" (Mateus 16:24–26).

"Entrai pela porta estreita; porque grande é a entrada e largo e espaçoso é o atalho que leva à perdição, e muitos são os que vão por ele; ao passo que estreita é a porta e apertado é o caminho que conduz à vida, e poucos são os que encontram" (Mateus 7:13–14)

Eu pergunto: quem teria coragem para agir assim nos dias de hoje?

Se alguém puder responder a esta pergunta, ficarei agradecido.
Tel disse...
Sem dúvida, o espírito por trás desse movimento é diabólico, é o espírito do anticristo.

Julio, por favor, você poderia me informar como posso assistir a TV WND?
Já li alguns comentários seus sobre a TV e busquei no site deles, mas não encontrei link de transmissão.
Desde já, agradeço.
Eliel disse...
Respondendo ao pastor Caleb,

Amado pastor Caleb,

O seu comentário em relação à postura de algumas igrejas (inclusive aquelas que se dizem cristãs) nos obriga a fazer uma reflexão muito séria: como a nossa congregação tem se comportado diante da corrupção do mundo? Será que temos procurado reconhecer nossas falhas, e pedir perdão a Deus todos os dias? Será que temos obedecido somente à Palavra de Deus, ou temos sido coniventes com o pecado? Enfim, como está a nossa vida (e a vida da igreja) diante de Deus?

Uma certeza nós (cristãos) temos: quando Jesus voltar, a Sua igreja terá que se apresentar a Ele com as vestes limpas (isto é, sem a mancha do pecado). É como disse o apóstolo Paulo:

"Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela Palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível" (Efésios 5:26–27)

O que nós, cristãos, temos realmente feito para preservar a pureza do verdadeiro evangelho, ou melhor, de que forma temos agido contra as heresias, as falsas teologias, os falsos evangelhos, e os falsos profetas (e outros mundanismos que têm contaminado a igreja do Senhor)?

Não foi sem razão que o apóstolo Paulo alertou a todos sobre alguns dos perigos que a igreja de Jesus iria enfrentar nestes últimos tempos:

"Pois eu bem sei que, após a minha partida, surgirão no meio de vós lobos vorazes, os quais não pouparão ao rebanho; E que entre vós mesmos aparecerão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si" (Atos 20:29–30)

"Mas tenho receio de que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de algum modo corrompidos os vossos costumes, e se apartem da simplicidade que há em Cristo" (2 Coríntios 11:3)

"Cuidado para que ninguém vos faça presa sua, através de filosofias e vãs sutilezas de acordo com a tradição dos homens e conforme os preceitos do mundo, e não segundo Cristo" (Colossenses 2:8)

"Mas o Espírito expressamente adverte que em tempos posteriores muitos apostatarão da fé, e darão ouvidos aos espíritos enganadores e às doutrinas de demônios" (1 Timóteo 4:1)

Não é exatamente isto o que está acontecendo com muitas igrejas aqui no Brasil (e também em todo o mundo)?
ÉLQUISSON disse...
Respondendo ao pastor Caleb, ao presbítero Valdomiro, e ao Eliel,

Amados irmãos,

Não sei se vocês vão concordar comigo, mas eu penso o seguinte: considerando o teor deste artigo e os comentários que vocês colocaram aqui (e também as atitudes de muitos dirigentes de igrejas, bem como de muitos que se dizem cristãos), está sendo muito difícil encontrar uma igreja 100% santa nos dias de hoje (eu diria que isso é uma verdadeira "Missão Impossível").

Ao lermos o livro de Apocalipse, vemos que Jesus, nos capítulos 2 e 3, manda o apóstolo João escrever 7 cartas para 7 igrejas diferentes (Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia, e Laodicéia). Ao serem avaliadas por Jesus, elas podem ser classificadas da seguinte forma:

– 1 igreja quase perfeita (muitos elogios e somente 1 única crítica): Éfeso;

– 2 igrejas 100% perfeitas (somente elogios e nenhuma crítica): Esmirna e Filadélfia;

– 3 igrejas imperfeitas (50% de elogios e 50% de críticas): Pérgamo, Tiatira, e Sardes;

– 1 igreja totalmente imperfeita (somente críticas e nenhum elogio): Laodicéia.

Considerando que quase todas as igrejas hoje estão mais cheias de erros do que de virtudes, vejamos o que Jesus mostra de errado em 5 das 7 igrejas de Apocalipse (e como estes mesmos erros estão em evidência nas igrejas de hoje):

– Éfeso: "Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor" (Apocalipse 2:4)

– Pérgamo: "Tenho algumas coisas contra ti: tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria e se prostituíssem. Assim, tens também aqueles que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que Eu odeio" (Apocalipse 2:14–15)

– Tiatira: "Tenho contra ti que toleras que Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensine e engane os Meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. E Eu dei bastante tempo a ela para que se arrependesse da sua prostituição; ela, porém, não quis se arrepender" (Apocalipse 2:20–21)

– Sardes: "Tens nome de que vives e estás morto... não tenho achado as tuas obras perfeitas diante de Deus" (Apocalipse 3:1;2)

– Laodicéia: "Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, estou para te vomitar da Minha boca. Porque dizes: Sou rico e não tenho falta de nada; mas não sabes que és um desgraçado, miserável, pobre, cego, e nu" (Apocalipse 3:16–17)

Agora, façamos a comparação entre estas igrejas de Apocalipse e as igrejas de hoje:

– Éfeso (e hoje): Quantas igrejas hoje já não têm mais o primeiro amor (como nos tempos de novo convertido)?

– Pérgamo (e hoje): Quantas igrejas hoje estão permitindo a infiltração de heresias e ideologias diabólicas (e deturpando a Palavra de Deus)?

– Tiatira (e hoje): Quantas igrejas hoje dão ouvidos aos falsos profetas, às doutrinas de demônios, e toleram os "modernismos mundanos" no seu interior?

– Sardes (e hoje): Quantas igrejas novas surgem a cada dia em cada esquina, sem a unção do Espírito Santo (e com pastores sem uma vida consagrada no altar)?

– Laodicéia (e hoje): Quantas igrejas pregam as bênçãos material e financeira (e esquecem de anunciar que o Reino de Deus deve ser a prioridade das nossas vidas)?

A resposta comum para todas estas perguntas acima é uma só: quase todas as igrejas (inclusive muitas que se dizem cristãs)

Será que esta minha análise comparativa das igrejas está certa?
Anônimo disse...
Aos irmaos Eliel e Elquisson.

De fato e de verdade estamos atravessando dias dificeis, tenebrosos e complexos, pois a cada dia que passa, e menos um dia para a volta do Senhor Jesus Cristo ( arrebatamento da igreja ) e a destruicao definitiva das trevas sobre a face da terra. Satanas e o inferno sabem disso, e por isso, lutam de todas as formas e maneiras de levar o maior numero possivel de almas ao inferno, e essas formas sao bem conhecidas por nos, pois estamos vivenciando a apostasia nao somente na Presbiteriana, mas de um modo geral , em varias igrejas tradicionais e pentecostais, tempos dificeis mesmo. Mas aquele que tem, possue e vive debaixo da sabedoria e discernimento do Espirito Santo NUNCA sera enganado, pois a Luz prevalece sobre as trevas, e como afirma em Joao, capitulo 01, somos em Cristo filhos da de Deus e da Luz divina. Irmaos , nao se espante, a coisa ira piorar e muito, so a uma Unica saida e uma unica forma de escape, JESUS CRISTO, o filho do Deus vivo, que habitando em nos e por nos nos levara a eternidade de vida e gloria. Ler e viver a Biblia nunca foi tao importante, senao o mais importante para a nossa salvacao em Cristo, pois ela e mais que essencial nesses dias tenebrosos, de fato e de verdade, e a nossa tabua de salvacao.

Pastor Caleb.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

domingo, 8 de junho de 2014

(Vídeo) - Plano do PT para implantar a ditadura. Dilma decidiu extinguir a democracia por decreto. É golpe!

(Vídeo) - Plano do PT para implantar a ditadura. Dilma decidiu extinguir a democracia por decreto. É golpe!

Clique no link abaixo para acessar o vídeo:
http://corrupcaopetista.blogspot.com.br/2014/06/plano-do-pt-para-implantar-ditadura.html